quinta-feira, 23 de julho de 2009

Parada

*
Por Germano Xavier

para Maria Iraildes Pimenta


ressequidas venezianas de alma,
olhos pálidos como folhas de outono,
desmaiam os ciclopes reticentes
no escuro apenas.

ver o verdor pesaroso de não ver o verde
das relvas sem selvas, ter uma fronha
encobrindo o branco e o preto,
e por que agir insipidamente
a favor de uma vontade mórbida,
íris filtrada na dor, nesta humanidade doente?

se não enxerga os acimas,
teima a vista nos brilhos sem nome,
que são de lá os feitiços das medusas prementes.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Um por um: ninguém

*
Por Germano Xavier

Eu disse "um".
Ela disse "dois".
Eu quis dizer "ambos".
Ela quis dizer "um e um".
Eu falei "um de cada vez".
Ela falou por si.


* Deviantart.