segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Defectivo impessoal

*
Por Germano Xavier

Um idílico para um Tempo novo.

Eu, Ira, quaro.
Tu, Ira, quaras?
Ele, Ira, quara?
Nós, Ira, quaramo-nos?
Vós, Ira, até onde quarais?
Eles quararão, Ira?


* Imagem: Deviantart.

8 comentários:

Homem Hediondo n° 05 disse...

Crédito da imagem:

"reflection
by ~nikolinelr"
Deviantart

Ira Buscacio disse...

Germano,

Tomo pra mim o poema.

Eu, Ira, quaro
nos dias, essa minha alma manchada.
Quem sabe, um dia fique clara.
Branca de poesia.

Eles quararão, Ira?
Oxalá, Germano.
Só assim teremos almas sem máculas.

Adorei!
Bjs

Deia disse...

Germano, Quararemos, sem dúvida! Beijos, Deia.

Simonne Allice disse...

Saudades de ti, poeta!
Beijo

Srtª Bêêh disse...

Saudades daqui...
O equador das coisas sempre... Onde tudo nasce.

EDER RIBEIRO disse...

Cara vc brinca com a língua, quer dizer. Apalusos,e mais aplausos. Abçs.

SAM disse...

Germano,

adorei o uso de flexões na poética com questões bem profundas.

Beijo

A Escafandrista disse...

Homem Hediondo, hein? como vai, germano? qto tempo! e esta poesia então? legal o trocadilho com o nome da cidade. passa lá no meu escafandro e deixa sua impressão, por favor. abraços.