sexta-feira, 4 de março de 2011

Domingo, 27



Por Germano Xavier

Um trovão quebra o silêncio
na tarde indecisa.
Mas continuo silente,
sem quebras.
Hoje, como se se quisesse,
amanheci de ferro,
duro...

Bastou uma borboletinha
pousar na janela do meu quarto,
abrir e fechar suas asinhas
azuis,
para que todos os meus planos
de dureza
expirassem.

Um comentário:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"Borboleta
by ~deadscrew"
Deviantart