segunda-feira, 1 de abril de 2013

Cânticos de morte (III)


Por Germano Xavier

Sob alegação de adultério
(difícil de acreditar)
enxerguei, mais uma vez,
o véu sinistro
da morte.

Fez-se um silêncio esquálido
em mim:
eu-túmulo.

Nenhum comentário: