sexta-feira, 5 de abril de 2013

Das procissões


Por Germano Xavier

O silêncio na saída
do aprumamento
era sinal de vida torta.
Para alguns, é certo.
Outros se lambuzavam,
mesmo
na discordância das coisas.
Na minha rua tinha de tudo,
até um espiador de travessias eternas.
Ele sempre achava graça quando
alguém do lugarejo batia as botas...

Chorar, para quê?

Nenhum comentário: