quarta-feira, 22 de maio de 2013

Composição de dias


Por Germano Xavier

Quando o nativo retorna a sua plaga,
é como se o sol de fim de tarde
fizesse vicejar a luz auroral, sem alarde,
na primavera dos rios que à alma alaga.

Iraquara, terra querida, cidade partida
de minha infância distante. Fui obrigado
a deixar de beber tua Fonte, iniciado
que era no aprendizado da Vida.

És singular na sua universalidade
de encantos. Sem ti, seria eu o mesmo? Seria?
Talvez fosse um desses, órfãos, sem pátria,

se alhures tivera nascida a minha idade.
Se te canto em meu verso simples a adorar-te,
é porque não há outra; eu só sei amar-te.

Nenhum comentário: