quinta-feira, 30 de outubro de 2014

O antes das flautas

*
Por Germano Xavier

agora é assim:
uma janela para o labirinto
lá embaixo onde tudo se perde
nos passos sem orquestra
da multidão

(um chão em silêncio)

veja bem:
quando o olhar direciono
em nome de tua seda-pele
pense que daí por diante
sortes simpatizem regências

pressuposto:
o tocador de flauta
naipe de madeira apesar
do metal moderno (mais frio)
não toca sem estar convicto
das altas temperaturas

conclusão:
é doce a verdade na vontade
e muito tempo faz ajuntar na gente
uma música inteira de paixão
noutro livro fechado que de longe
é bem estória de adivinhação


* Imagem retirada do site Deviantart.

Um comentário:

Daniela Delias disse...

agora é assim: uma janela para o labirinto. só aqui já se tem uma lindeza de poema!

coisa mais bonita, G.