sábado, 17 de janeiro de 2015

As árvores amorosas (Parte X)

*

poema para a mulher pequena que esquecia as coisas

Por Germano Xavier

a conta do amor ao final 
não deu a mesma para os dois lados
(o hoteleiro estranhou) - fugimos
pela frente

eu numa 150 cilindradas
você a pé de mochila nas costas

já distante dentre as ruas percebi
que havia guardado sua ternura carente
suas histórias odiáveis de vida
a pompa de toda uma clandestinidade
envolvida numa navegação de dois rumos

e remos

no outro dia o bombardeio de cartas
e uma sentença para desfecho

amo você
mas necessito desamar


* Imagem retirada do site Deviantart.

2 comentários:

Vinicius Figueiredo disse...

Muito bonito, das várias vidas que vivemos em uma, só nos restão as histórias é na memória que a vida se torna infinita!

Maria Tereza Marçal disse...

Há muito tempo não leio algo que me diga tanto...obrigada por isso. Prazer em tê-lo como leitor do meu blog. Abração.