terça-feira, 21 de abril de 2015

Ainda no ovo

*
Por Germano Xavier

para meu comparsa Alexandre Guarnieri

ainda no ovo uma geração acobertada pela doença da ordem
ainda no ovo uma metáfora de mar feito onda maneira
ainda no ovo uma polivalência multifuncional sem bios
ainda no ovo um poema devasso para os filhos da puta
ainda no ovo uma lança deselegante a invadir a discórdia
ainda no ovo minha aparição final para hecatombes múltiplas
ainda no ovo o cheiro da miserabilidade dos homens sem amor
ainda no ovo a página negra virada na albina lisura dos vermes
ainda no ovo um seja bem-vindo cínico para os críticos do nada
ainda no ovo um nado sobre as coisas muitíssimas impostoras
ainda no ovo a rebeldia da voz de grito de um povo cheio de nós
ainda no ovo uma nódoa amarga combatente por rijos afãs
ainda no ovo uma porta aberta para os maltrapilhos corações
ainda no ovo uma chama quente sob a pele dos nervos
ainda no ovo uma boca que beija sem medo outra boca em sanha
ainda no ovo um amanhã perplexo de átomos vivos e pueris
ainda no ovo um olho que olha a paisagem por dentro
ainda no ovo um corpo distendido sobre ocidentes orientais
ainda no ovo uma palavra que faça varado o ventre e vire voz
ainda no ovo um homem aberto à maneira de um deus
ainda no ovo uma espera destroçada sobre a casa de todos
ainda no ovo a dor de um mal numa dúvida nem verdade nem bem 


* Imagem: http://www.deviantart.com/art/holga-62-ovo-je-sandra-113780438

Nenhum comentário: