domingo, 5 de abril de 2015

Poema para você

*

Por Germano Xavier

comecemos pelo fato de eu te amar.
aqui, hora da tarde, sol amornado, coração selvagem:
imagine você que nunca larguei de te pensar.
o simples fato de eu te amar já me lega a força
e a aspereza da continuidade dos passos que dou.

não é simples encostar tudo isso no passado.
confesso que entendo todas as tuas agonias.
dói, corrói, fere, magoa a instável distância.
também entendo teus estudos sobre empatia.
mas como eu falei... iniciemos pelo mero fato
de que decidi te amar até o fim dos mundos.

(até o meu próprio fim (...))

entenda de uma vez por todas que nada é igual
nem será nem mesmo se eu deixar de teimar tocar
o vestido que nos formou: indisciplina das essências.

examinemos agora a metade do caminho, o lugar
onde estamos: ainda é o mesmo coreto iluminado
do primeiro dia em que trocamos verbos de mar.
eu: lexical bucaneiro. tu: a evolução das sereias.

punch:

"desviei o Pequod para um mar indevido - tome nota.
a vida é um insistir baseado em clichês de ondas.
vezes não terminamos o trajeto, desistimos. vezes,
vamos de cara para a tempestade sem medo de perder
o pouco tempo que ainda nos resta: a última estação."

...

a única saudade que meu peito carrega é uma dor invisível
ainda sem rosto impresso pelas palmas de minha mão -
rosto-sudário em sorriso-aclive de angulares moldes.
acuse-me, por gentileza, de não agir com gentileza.
transmita-me teus aforas ou me corte os pés - a língua -,
mas não me impeça de repensar minhas práticas de amor:
andei tentando. atrasei-me. posso voar. posso chegar.

comecemos pelo fato de eu te amar.
comecemos pelo fato de eu te amar.
comecemos pelo fato de eu te amar.
comecemos pelo fato de eu te amar.

e veja:

terminemos o poema em recordação de um apenas:

terminemos o poema pelo começo.
terminemos o poema pelo fato de eu te amar.
terminemos o poema pelo fato de que decidi
te amar até o fim dos mundos, até o meu próprio fim.


* Imagem: http://www.deviantart.com/art/Station-At-Night-295449243

Um comentário:

Daniela Delias disse...

coração selvagem.