domingo, 7 de junho de 2015

As árvores amorosas (Parte XXVII)

*
Por Germano Xavier

poema para a mulher do Poema de Pedra


poemas de pedra são feitos com lua
e noites que tombam sob as águas do rio

(a cidade quente e eterna das memórias
balbucia o estado adormecido desse amor)

há um quarto no andar 4 do Madrepérola
com vistas pequenas para o São Francisco
- lembro-me mais dos telhados avulsos da Catedral

como há uma distância dentro da madrugada
que separa o dia do amanhecer infante

minha Honda abandonada na calçada
espera a fuga improvável (dos sonhos) do estar ali
uma prova de que nem todo amor é responsável

na sala nos entendíamos feito bichos
na cama eu fui o chão frio dos medos

hoje vejo pelo retrovisor que a estrada
que escolhi diante do mínimo sol das matinas
é dos difíceis embaraços a maravilha do traçado


* http://www.deviantart.com/art/Acrylic-Landscape-71-537936660

Nenhum comentário: