domingo, 7 de junho de 2015

Quando perto não estamos

*
Por Germano Xavier

para Anitta Costa Malufe,
após o seu QUANDO NÃO ESTOU POR PERTO

"em seguida ele fugiu de moto
ela permanceu no chão apenas
sirenes na rua de baixo"

o estado crítico da palavra beira
a barragem com menos água - a sensação
do esvaziamento - a barriga grande
da criança oca

ao menos

o colapso nada pouco das belas
pantomimas humanas e a crise
de todas as liberdades encontram
os conjugais prestígios nas mortas rimas

estamos perto da poesia
quando a palavra reserva-se à governança do caos

desativar aprovações rasas
engrandecer os aindas momentâneos
faturar a real prata das importâncias
para que se atenda ao amor pois

só o amor se esconde nas palavras sem estado


* Imagem: http://www.deviantart.com/art/Watercolor-Sunset-537941954