quinta-feira, 27 de agosto de 2015

As coisas são mais que seus nomes

*
Por Germano Xavier

título retirado de um verso do poema RUGIDO, de Daniela Delias


um nada de convencionar-se,
um oposto que está dito,
um qualquer susto no silêncio,
um ademais por detrás da amurada
ou dentro da água móvel do tempo.

que o índice dita o sentido que se altera,
que o símbolo pronuncia a doença vã da dor.
e mesmo quando em vida e mesmo que espera,
o impreciso de tudo aclara-se em rega, adubador.


* Imagem:  http://www.deviantart.com/art/verao-das-musas-116114835

Um comentário:

Daniela Delias disse...

aclara-se, sempre...

Beijos!