sexta-feira, 6 de novembro de 2015

A missão do dia

*
Por Germano Xavier


#1

envoltos num espectro difuso
(eis a missão do dia):
transformar, 
despossuir

um elegante descaso de amor.


#2

Ok. Reclassifiquemos o amor. Vamos transformá-lo num gostar difuso e recatado. Vamos domá-lo com dois chicotes: a distância e o tempo (receita para o arrefecimento natural das paixões). Está feito. O amor, este patinho feio, este coelho branco, este dragão que cospe loucuras, será agora apenas um pobre animal empalhado. Para se guardar no sótão.


#3

se te tocar é violar o lacre
se te descontinuar é refazer prisões
se te conter é preencher vazios
se te cuspir é autoflagelo
se te esquecer é apagar-me
se te apagar é perder-me
se te acariciar é alimentar serpentes
se te revelar é fechar janelas
se te perder é engolir pedras
se te esperar é vagar além
se te sonhar é cair no vácuo
quero reescrever o livro onde nascemos

a carnificina acontece dentro
arrancando os olhos de nossa fé


#4

desculpe,
meu amor,
por tanta ficção

* Imagem: http://www.deviantart.com/art/Door-by-tony-belobrajdic-556053587

Nenhum comentário: