sexta-feira, 20 de maio de 2016

O velho lobo do mar

*

Por Germano Xavier


"Mas o que pode valer a vida, 
se o primeiro ensaio da vida já é a própria vida?"
(Milan Kundera, em A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER)


algumas vezes me encostei ao mar
e por medo do desconhecido, do vão devorador
escondido nas fendas ondulantes das marés,
construí em mim o som dos medos reais.

parte em consciência, soube ocultar
a fera indestrutível das águas nas espumas.
parte em truques, abortei roteiros inglórios
de bravura à direção das imprudências.

fato é que as histórias em que navego
minhas máximas campanhas de homem
foram sempre trilhas lançadas aos atiçamentos
e às estreias da alma.

tudo se resume, pois,
até aqui (e só assim me pus a salvo),
a uma vitoriosa carreira de impermanências.


* Imagem: http://www.deviantart.com/art/THE-SHADOW-SEA-435832778

2 comentários:

Unknown disse...

Muito bom esse texto para refletir.

Jorge Loureiro disse...

Muito bom esse texto para refletir.