segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

As babéis de Ses (Parte VIII)


Por Germano Xavier

"o amor não é um problema"


havia começado seu discurso absoluto:
"matei o amor, matei o amor, matei o amor!"

estava só.

sua voz era uma linha própria, liberta, independente.
o tom, azul, de adeus, invadia a turva curva nua
das mais ou das menos críticas teorias sentimentais.

deixaria encoberto o céu com uma dada acusação interna:
"matei o amor!"

estava só.

a jovem seguiu sua verdade, crendo nas objetivas
funções das palavras, tão inacessíveis!
em seu coração, ela havia matado o amor.
havia, como a requerer algum engenho da sorte.

no fundo, sabia ela que o amor é uma edificação
trabalhada no acaso, sem normas, sem enunciados,
realizada na história das humanidades e dos nascimentos.
e que transpor o arco das exceções da dor e da mágoa,
da amargura, da agrura e da rispidez,
seria apenas uma fórmula barata de mentir a si mesma.

estava só.
e naquela sua solidão sem código, a dinâmica
dos pensamentos lhe cortava o pulso.
distanciou-se da antiga fala, repensou:
"matarei o amor, matarei o amor, matarei o amor!"

estava só.
e continuava.


* Imagem: http://www.deviantart.com/art/Turkey-166524025

Nenhum comentário: