quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

As faces de Helen



Por Germano Xavier

após ter visto filme homônimo ao título deste poema




quem sabe a temperatura
(glacial) do sangue em minhas veias?

o peso das correntes que me
prendem à cama?
você sabe?

o pavor que me tritura
ante o desconhecido,
o amigo,
o inimigo,
o trem,
o vizinho do vizinho,
a árvore da esquina
e o que ainda nem nasceu!
você sabe?

os pulmões me traem
(não há ar)
meus pés me faltam
(não há chão)
e você não pode me salvar.

(você sabe.
eu sei que você sabe)

os abismos me puxam
e você não sabe o esforço.
ah, nem supõe o esforço
apenas para não cair!

tudo é tão frágil
e estranho e insano e impossível.

percebe?
falta o sentido
e as respostas
para as perguntas vitais!

faltam o começo
e o fim,
e o meio ainda
não chegou.

e nem sei quando (ou desde sempre?)
o fio se soltou.
ou somos fantoches com
fios invisíveis?

minhas células morreram antes de mim
ou fui eu antes delas?

eu desci quando o mundo parou
ou fiquei quando ele partiu?

de quantas cores se fez o meu cinza?
você sabe?

o choro já não é choro,
é ausência.

tento provocar vida,
dor ou paixão,
vontade ou lição...

qualquer coisa humana, dizem...

e tudo me dilacera.
mordo o travesseiro,
grito desvairada,
tento devorar-me.
devorar o mundo,
devorar você.

você sabe?

como saber se ainda estou?
como provar que não?
como curar o mal?
como parar a dor?

que animal se consome por dentro?
você sabe?

não são os outros o inferno,
são os outros o inferno.
o céu é o inalcançável passo seguinte?

/.../

ouvi que divindades...
ouvi que a paz ...
ouvi que um chão traz...
que o amor pode...
e algo mais absurdo
que já não recordo bem.

você sabe?

sonhei que não era doença.
sonhei que não era tortura,
que era só lucidez
toda esta dor...

e tudo acabou num silêncio...
antes do chão.


* Imagem: http://www.deviantart.com/art/komm-207691274

Nenhum comentário: