sexta-feira, 10 de março de 2017

Algo além



Por Germano Xavier


Cidade pequena. Ruas cheias de vagas. Aquela sensação já velha conhecida. Uma natureza como se morta. Esquinas sem destino. Paralelas circulares. Uma onda de quase-nadas tocando a pele. Frio quente. A cada hora o sino da igreja que fica no centro da cidade toca anunciando o tempo. Uma imagem bela. O tempo dentro de um barulho. Tempo-redoma. O sino. O tempo. O som. A beleza. O que fez sentir-me em outra época. Como antes. Como agora. Estranhamente familiar. O tempo. Uma força. Uma coisa estranha. Hotel silenciosamente gélido. Não gosto de corredores vazios de hotéis. Há muito tempo estocado nesses corredores cheios de penumbra. Tento ver um filme na TV e encontro você. Foi precisamente numa cena do filme "Na natureza selvagem", quando o Supertrump chega a uma montanha e olha a natureza selvagem a sua frente, imensa, sublime... É uma cena plena de significados para mim. Ele fica sem palavras, comovido, chora. Ele extravasa. Cumpre-se ali um ritual de aberturas. Aquelas montanhas diziam pra ele que havia algo maior, algo além. Tinha de haver. Como o tempo. Algo além do próprio tempo. Então te vi. É exatamente isso que você me diz. Que você já disse. Olhar teu rosto, ouvir tua voz, ler tua alma-poesia me faz duvidar de que não exista alguma transcendência. E duvidar é melhor do que ter certeza. Você é dessas coisas que embargam a voz... Quebrando tudo... Tirando de nós, perplexos, um silêncio respeitoso. Você me comove. Assim como o tempo quando se esgota. O tempo que lacera. E é tão contraditório que seja você quem elabora em mim os sentimentos mais bonitos (já tão raros)... E que me fazem desejar a eternidade e que também seja você que provoque em mim os sentimentos mais mesquinhos... A cidade não continuará pequena. Ruas cheias de. Aquela sensação nada adormecida. Uma natureza inteira. Destino nas alamedas. Paralelas redundantes. Uma onda. Calor abarrotado. A cada hora, o sino da igreja que fica no centro da cidade toca. Uma imagem bela. O tempo anunciado. O tempo dentro de um barulho. Tempo-redoma. O sino. O tempo. O som. A beleza. O que fez estar. Como antes. Como agora. Estranhamente familiar. O tempo. Uma força. Uma coisa estranha. Então olho novamente a montanha... E mesmo não podendo levá-la comigo, sempre saberei que ela está lá. Levarei sua imagem. Levarei.


* Imagem: http://www.deviantart.com/art/Saudade-139788415

Nenhum comentário: