quinta-feira, 16 de março de 2017

Uma pequena epifania


Por Germano Xavier


Foi de repente. Um clarão. Uma pequena epifania. Emudeceu de satisfação. Não entendia como não tinha pensado nisso antes. Agora era tão evidente para ela o porquê de seu comportamento humilhante com ele, de sua falta de amor próprio, de seu rastejar pelos anos implorando um pouco que fosse daquele homem. Era amor, claro. Mas isso não explicava nem justificava tais atitudes irracionais. Havia algo mais. E ali estava estampado em seu rosto, em forma de surpresa e desapontamento. Afirmação. Era isso o que estivera buscando nele o tempo todo - por motivos complexos demais para se mexer... Afirmação era o que estivera, inconscientemente, esperando dele. Afirmação de valor, de identidade. Um espelho, em suma. Fenômeno muito comum, inclusive. Por razões tão diversas e complexas que cabe à Psicanálise e afins tentar entender e explicar. Em resumo, quando não se é capaz de construir um senso de valor próprio sozinho, busca-se no outro essa afirmação para que se possa aceita-la, assimilá-la como sendo a própria identidade. A pessoa passa a se ver como o outro a vê. É uma espécie de parasitismo emocional. Ou um parasitismo de conceito sobre si. Desnecessário dizer o quanto essa distorção de visão pode ser assustadora e prejudicial. A começar pela variação ao infinito de interpretação que pode se dar ao que não se pode, em absoluto, conhecer: o pensamento do outro. Muitos mal entendidos e sofrimentos desnecessários irão surgir daí. Ainda imersa nessas reflexões, ela decide imediatamente mudar o foco e a fonte de sua afirmação de si. Ela. Tinha de ser ela e mais ninguém a régua de medir a sua vida. O seu valor (e ela sabia que tinha um) estava em ser ela. E não precisar ser nada além disso. Ela existia, suportava, resistia, amava, sobrevivia, errava, aprendia, lutava, desejava, vivia. Esse era o seu valor. Ser humana. E o ser humano é um valor absoluto. Inerente. Inalienável. Eterno. Ao menos enquanto dure. E, como diz Sartre, a existência precede a essência. Continuava refletindo e sentindo-se cada vez mais livre e cada vez mais presa à própria existência. Concluiu, entre aliviada e pessimista, que o ideal seria, além de existir, ainda poder sonhar.


Imagem: http://www.deviantart.com/art/uncertain-destinations-669340057

2 comentários:

Nadine Granad disse...

Uma das coisas que mais me chamam atenção ultimamente é em como encontramos abrigo nas linhas alheias...
Essa sua "pequena epifania", tão minha...
Lindo!

Bom fim de semana =)

Germano Viana Xavier disse...

Para mim, uma das bonitezas mais incríveis desta arte da criação textual ficcional... este encontro, esta dicção duplicada entre autor-leitor e vice-versa.

Abraços, Nadine!