domingo, 16 de abril de 2017

Uma cena

*

por Germano Xavier



Era só uma cena na televisão. De uma reportagem da qual não lembro mais o contexto. No meio da matéria aparecia uma mulher que aparentava ter um pouco menos de quarenta anos. Ela estava sozinha, sentada no que parecia ser um banco de praça. Em certo momento, a câmera focou o seu rosto e era possível ver descer, em sua face, duas lágrimas grossas, silenciosas, doídas.

Eu era apenas uma criança, mas fixei aquelas lágrimas, sem entender. Ela estava imóvel, parecia ausente, mortificada. A única coisa viva nela eram aquelas duas lágrimas que sangravam em seu rosto. Foi quando ouvi o homem que estava ao meu lado (cujo nome também não lembro) dizer: "Quando uma pessoa chora assim é porque a dor é muito grande. Já ultrapassou as forças". Não sei explicar o porquê, mas aquelas palavras e aquela cena ficaram tatuadas em minha memória até hoje. Por isso, sempre que vejo essas mesmas lágrimas insensíveis, sem choro, no rosto de alguém, sei que estou diante de uma dor solene. Silencio e respeito. Lembro que dores assim já ultrapassaram as forças, levaram a esperança, a resistência, a luta. O cérebro desligou-se dos sentimentos e o corpo já não reage. Apenas queda-se, vencido, indiferente, enquanto a dor domina a vida.



* Imagem: http://www.deviantart.com/art/Old-TV-108367646

2 comentários:

Nadine Granad disse...

Cena tocante!... Crônica que arrepia, chega a formar escoriações (marcas indolores, mas cicatrizes perenes)

Beijos =)

Germano Viana Xavier disse...

Uma dor aguda...