terça-feira, 23 de janeiro de 2018

A antimorte


Por Germano Xavier

para Nicanor Parra, in memoriam.



dentro do coração há um coração
sem boca, sem fosso, sem fim,
de onde nada escapa
e de onde partem embarcações de amor.

não morremos sós pelas mãos
ingênuas da vilania, morremos em reunião
por conta dos passos dados a esmo,
das ruminâncias e das indigestões.

o deus que há no homem
sabe imaginar a perfeição,
mas somos paisagem branca,
mentira e hipocrisia.

por isso, por tantas serem as direções,
resta-nos a poesia.
depois, nada fica sem nome no mundo.
nada. nem o adeus.


* Imagem: https://oglobo.globo.com/cultura/livros/centenario-de-nicanor-parra-tera-exposicao-biografia-visual-livro-inedito-12750012

Nenhum comentário: