quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

A decifração da pólvora



Por Germano Xavier

para Allen Ginsberg



não existem sinônimos.
cada signo é desigual, cada corpo
é um dólar inalcançável.
cada soluço é um quartel,
uma cama de outro, um suor.
cada pedaço é uma fome,
um pesadelo, um julgamento.

solidões, sujeiras, feiuras,
escadas e latas de lixo... tudo,
mesmo num íntegro dínamo canibal,
tudo é outro.

não existem sinônimos.
|muito menos regras |
cada palavra derruba um Moloch!


* Imagem: https://pixabay.com/pt/pessoas-retrato-adulto-homem-3060107/

Um comentário:

Rair Oliveira disse...

"Não existem sinônimos. Cada signo é desigua." Perfeito!!!!