domingo, 18 de maio de 2008

A Linha



Por Germano Xavier



A LINHA, livro de Mario Vale, é, indubitavelmente, um livro diferente. Diferente não no sentido de anormal, insólito ou inovador, muito menos encerra uma experiência extremamente original, haja vista que muitos escritores de literatura infantil, infanto-juvenil, juvenil, e até adulta já testaram coisas por demais parecidas, mas diferente no sentido de desigual mesmo, de dessemelhante, de fora do comum – pelo menos para aqueles que, como eu, não têm tanta intimidade com composições artísticas desta natureza. O próprio título sugere qual seja o enredo da obra do cartunista mineiro. Utilizando como ponto de apoio a figura de uma linha, Vale brinca com o imaginário coletivo de um modo bastante cativador, através de diferentes recortes temáticos nos cartuns que compõem o todo do livro. Não há palavras nas páginas, somente uma linha que perpassa todo o conjunto, unida como tal a desenhos variados que figuram como suporte para produção de conceitos os mais diversos possíveis, ajudando assim na compreensão das mensagens que se pretendem transmitir ao leitor. Por tratar de temas universais de um modo divertido e ao mesmo tempo instigante, sem pecar por adentrar num espaço de lugares-comuns bastante típicos à caricatura, o que Mario Vale faz é um trabalho quase que inconcebível em termos de classificação enquanto artefato literário. Dizer que A LINHA é para crianças, ou que é para jovens, ou algo nesse entremeio, é a mesma coisa que desqualificar a produção artística do autor. O mais adulto e experiente leitor pára minutos muitos e deliciosamente investidos de seu tempo na justa tentativa de entender o que é que se passam nas 88 páginas do livro. Não obstante a qualidade do material impresso, a simplicidade mágica dos traços do autor, a potência metafórica significativa dos cartuns, outra detalhe também chama a atenção: o espaço em branco do livro não parece ser algo sem propósitos. Sem o vazio, sem o vago, talvez a amplitude dos desenhos não fosse tão vasta e flexível. Exemplo mais do que típico de livro que faz do seu leitor personagem de fundamental importância, sem o qual certamente não haveria modos mais eficientes para constatar a magnitude de tal literatura, ou seja, a linguagem que falta à sua matéria é encontrada na voz invisível do leitor produtor de significados. Uma boa pedida, para quem se dispor a “ler” A LINHA, é procurar também os livros de autores como Eva Furnari, exímia artesã de livros “mudos” e fantasticamente repletos de “vozes”. Para mães com filhos pequenos, pais com filhos grandes, adultos sem barba, adolescentes barbudos, velhos jovens, idosos de todas as idades ou qualquer coisa do gênero ser humano, bom apostar nestas linhas tão edificantes.


 Imagem retirada do Google.

4 comentários:

HSLO disse...

Após essa análise, fiquei com vontade ler.

abraços
de luz e paz

Homem Hediondo n° 05 disse...

Crédito da imagem:

"Wallscapes_II__by_MonoSubstance"
Deviantart

Dauri Batisti disse...

Passar por aqui é sempre um prazer. Ver seu amor pela literatura é um prazer.

Quanto à livros ando lendo autores japoneses.

Um abraço forte.

Vanessa Souza Moraes disse...

Meu blog mudou de endereço, o novo é:
http://vemcaluisa.blogspot.com/
:)