sexta-feira, 17 de outubro de 2014

As árvores amorosas (Parte II)

*
poema para a mulher dos seios disformes
Guantanamera tocava no player do coche branco

Por Germano Xavier

você me ensinava sobre Beleza
quando tirava o sutiã dentro do carro
sob os auspícios das luas claras da Chapada

antes eu acreditava que as linhas
(da vida) deviam ser perfeitas e equiparáveis

depois de você
passei a gostar das deformidades
das incongruências do corpo
das instabilidades da alma

teus seios enormes de mamilos rotundos
me revelavam as curvas que me destinariam
(eu-outsider) a partir de então
aos passos tortuosos que bem daria

o do lado direito pesava mais
era maior e não cabia em minha mão
peito generoso mas arisco

era doce o do lado esquerdo
menor e mais disponível
às sugações decameronianas

em saltos balouçavam lindos
em quiques nos perigos das apreensões
planetas de um novo sistema solar


* Imagem retirada do site Deviantart.

Um comentário:

Maria Eu disse...

Lindíssimo!
Partilho!

Beijinhos Marianos e boa semana! :)