domingo, 26 de fevereiro de 2012

Sobrepostos


 Por Germano Xavier

dentro do muro
há sempre um rumo
sem prumo
na vadiagem de nossas cabeças

há uma opção de fuga
presa na espiral do tempo
na corrida, dos pés
(altiplanos)
sem planos

12º poema-imagem/imagem-poema da série Preto-e-Branco:Poesia.
Fotografia de Daniela Gama.

5 comentários:

Amanda Andrade disse...

Em nossas mentes existe um mundo surpreendente.

Beijos.

Dani Gama disse...

E com os pés sem planos vamos caminhando pelas nuvens que vão surgindo...

Júllio Machado disse...

... na eterna esperança de uma amanhã bem melhor.

PERSEVERÂNÇA disse...

Desejo uma semana iluminada de muita paz regada de saúde e paz mental para que seu espirito possa direciona-lo para ações tão belas quanto ao que escreve.
Abraço
Nicinha

Jacqueline disse...

Indizível é a reflexão deste poema. Um rumo sem prumo dentro do muro, uma opção de fuga, altiplanos, sem planos. Gostei imenso. Abraço! Boa sexta.