domingo, 9 de fevereiro de 2014

Ainda sobre os fatos


Por Germano Xavier

ao ler Lewis Carroll
para a pequena Sofia Gama


Carroll, atirei em tua estrela
distante
e ela me sorriu
um sorriso,
torcido e remoto.

- Lembra que apostamos acertar o sol?

A bala seguiu tão sem força
que mal perfurou a primeira nuvem no céu.
Lá descansa até hoje sua explosão.

A gente corre o mundo, sempre limpa
a nossa espingarda de atirar sonhos,
e no menos clarear dos fatos
é a própria proximidade que damos às coisas
que nos ofusca
e nos opaca os vistos.

- Desse jeito, deixaremos de acreditar
nas estrelas? É escuro o nosso final?

Daremos todos tiros
- e tiros no sol -,
apostaremos nossas esperanças
no destino sem-rumo das balas,
mesmo que luminares anos durem.

... pois que sejam remotas as estrelas.
como você, não saberemos viver sem alvos...

2 comentários:

Controvento-desinventora disse...

Que lindo!Quanta poesia nessa espingarda de sonhos que mata e salva.

Dani Gama disse...

A gente não deveria nunca deixar de simplificar a vida como o faz as crianças em seus sonhos reais, tão vivos, tão alegres, tão cheios de encantamentos. Eu, vez ou outra, me pego assim: meio atiradora de nuvens, atiradora de sol...Fortaleci esse meu lado menina, que se mantinha vivo em mim, depois que Sofia nasceu. Com ela aprendo lições das mais ricas, todos os dias. Com ela aprendo a ler estrelas e descubro sempre novos desenhos em nuvens, mesmo quando o céu nem está azulzinho...
Muito obrigada, em meu nome, em nome da Sofia, que já leu, releu e achou o máximo o presente do "tio Gê".

Dois beijos doces, de gratidão e carinho, em seu coração de menino grande...

Dani e Sofia Gama