domingo, 19 de junho de 2011

Daqueles ele é


Por Germano Xavier

XV

imbricado feito pele de peixe de rio
o menino desembestava suas atividades de solilóquio
malsucedia os atavios de vida empacava
dizeres de lorota e percalina e findava os dias
esfogueteando o seu contrário jeito de ser

"queria era era sê antípoda" palavreado ornado
mas que parecia se adicionar respeitos
leitura feita em livro de geografia usado
maltratado por mãos que ora vivem
se sepultar teorias adoradoras da práxis
parou pensou pensou mais um tantinho
e concluiu num arroubo de luz
"an-tí-po-da anti-poda sou desses"
era verídico Doró no mais das horas
não se interessava em aparar ramos desbastar
que ele o morenín era era deslimitado
por natureza desejoso por ver tudo
se alevantar de impulso ou de luta
saltar ganhar mundos e aforas
por isso mesmo naquela ensimesmadura
não fazia questão de se professar aos outros
em sentimentos de cisternas enormes
salpicava no rosto uma vermelhura de feliz
quando no seu vizinho brotava um orvalho no olho
isso somente de se contar uma história
imagine se ele Doró se arresolvesse de pronunciar
um dos tantos discursos experienciosos que nele habitava
aí a Grandeza nem precisaria mais mijar
que os homens mesmos se prontificavam de serem os regadores
e o mundo desde Pastinho até o mundão mesmo
se assentaria convencido de que a chuva ou a seca
só se é quando se permite que seja

"sou desses" pensou

2 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"Menino_by_joaofred"
Deviantart

Artes e escritas disse...

Um poema das nossas raízes culturais, merecedor de atenção. Um abraço, Yayá.