terça-feira, 9 de setembro de 2014

Aquela rua

*
Por Germano Xavier

vez ou outra, amor,
recordo-me entristecido
de que estivemos separados
por uma rua apenas

para te amar,
como um louco ou como um Werther,
precisaria eu um muro saltar
para a luz da vida
implodir tudo

o coração foi frio,
a rua larga,
os impérios do nada impediram as ânsias,
a distância era um fenômeno

além e tempos depois, sorrio,
por saber que ainda estamos,
eu e a tua essência, impregnados ao muro,
na espreita, como duas sombras

adaptadas a qualquer novo alvorecer

 * Imagem retirada do site Deviantart.

Um comentário: