sexta-feira, 15 de maio de 2015

Lucille

*
Por Germano Xavier

para B.B. King, in memoriam

o som como o passar da língua na serpente
(lambedura de escamas), adoçada máquina 
de entreter o triste azul das conflagrações:

em tons.

era o negro em pureza estético-conteudista
no dedilhar sinuoso dos sonhos em aurora.
rei da bocarra: sudário vivo de um deus musical.

será o som como a nódoa numa roupa sideral
a proposta para os bailes de espírito em incêndio?
de partida, todo um éter poético: Lucille sem ar.


* Imagem:  http://kenmeyerjr.deviantart.com/art/bb-king-4557133

Nenhum comentário: