segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Módulos-Bresson


Por Germano Xavier

Cabeça:

Jugular-angular. Base. A voz em tons. Toda cabeça é uma noite. Toda cabeça é uma noite? Toda cabeça é um sol ao quadrado. Toda cabeça é um caminho e uma perdição. Na cabeça está o instante íntegro, o que é puro ainda. Há nela a sedimentação do desejo, que era apenas um envolvimento de Andrômedas distantes. Toda cabeça é um sistema nervoso.

Olho:

O olho é o revólver. Todo olho atira. Todo olho atinge. Todo olho perfura, marca, fere. Todo olho sangra. O olho é a parábola. A decisão. O olho ataca porque sabe que vence. Nunca perde porque nenhum olho perde. Até o olho que não vê, vê. Ver é um estado crítico. Leão domado o olho que se esconde.

Coração:

Todo coração é um banimento. Todo coração é um aterro sanitário. É nele onde se atira o bruto. O coração não filtra. O coração é ingênuo. O coração é um bom samaritano. Guarda até o odiável. Todo coração é um medo de fotografia. Ele sempre some na revelação. Quem conhece um coração? Coração só sabe amar, mesmo quando não ama. Todo coração é um sistema penoso.

2 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"Cartier-Bresson - Series II by ~smartybarty"
DEviantart

Letícia Palmeira disse...

Instante íntegro é título de poema. Uma história inteira em duas palavras. E, mesmo que se divague em poesia, cabeça é sistema nervoso. Assim dizia o Realismo.

Muitos aforismos de alimento.

Você construiu conceitos que eu passaria a vida imaginando, mas não conseguiria escrever.

"Ver é um estado crítico".

Perfeito. Feito peixe e anzol.