quarta-feira, 19 de junho de 2013

O quarto caudaloso e um cômodo perdido


Por Germano Xavier

I

conheço-me bem,
mas, mesmo de mim sabendo,
sigo me estudando...

II

meus livros tombados
dormem. não sabem, nos sonhos
seus, que estou a ver.

III

embaixo da cama
mora um dragão. de noite
ele cospe estrelas.

IV

quando a luz quero eu
apagar, acendo a lua
da minha janela.

V

enquanto eu durmo,
os anjos varrem com asas
a poeira estelar...

3 comentários:

Dauri Batisti disse...

Estas coisas que se diz com poucas palavras nos exercitam na renúncia das muitas palavras. Nos abarrotamos delas, das desnecessárias especialmente. Bem disse alguém que a arte de escrever consiste em cortar. Ah, sei lá, talvez seja colher, a arte. Ando por um campo abundante e recolho algumas, sem desprezar as outras, apenas renucio a elas. Renucio até que elas retornem e se conformem ao meu coração - que será outro - de outro jeito. Mas, para todo efeito, poucas palavras, muita elegância:haicais.

Nayara Borato disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Azues. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

http://narroterapia.blogspot.com/

Ana Lucia Sorrentino disse...

Que doçura, Germano... amei. :)