sábado, 12 de janeiro de 2013

De grandes para pequenos


Por Germano Xavier

Grandes são - digo, imensos - os escritores que conseguem ou conseguiram escrever bons livros para o público infantil. O escritor russo Máximo Górki, exímio frasista, já dizia: "Escrever para crianças é igual a escrever para adultos - só que mais difícil". Não sei até onde a assertiva dele pode ser levada em consideração, mas deve ser mesmo um exercício fantástico, parafraseando Drummond, penetrar surdamente no reino mágico das crianças. Por outro lado, se olharmos com mais atenção na direção deste campo da literatura, iremos perceber como as coisas mudaram - e muito. Boa parte do encantamento presente neste mundo de fantasias livrescas cedeu lugar para a produção em série de histórias banais, muitas das quais sem nenhum ou com pouco potencial para mexer com o imaginário dos pequeninos. Dois bons exemplos de livros "infantis", daqueles que todo pai ou mãe deveria ter em casa para ler e reler para seus filhos, são Quase de verdade e O terno tanto faz como tanto fez, escritos por Clarice Lispector e Sylvia Plath, respectivamente. Não são historietas óbvias, mexem com a gente - até quando a opinião de um marmanjo como eu vale para esses casos? Não tive oportunidade de lê-los quando tinha menos idade, mas certamente a estória contada - latida, melhor dizendo - pelo cão Ulisses à sua dona Clarice, em Quase de verdade, e o sonho realizado de Max Nix, caçula de sete irmãos, no livro de Sylvia Plath, fariam de mim uma criança com boas caraminholas na cabeça, como diria o outro. Fica evidente as marcas textuais que caracterizaram os textos adultos das duas escritoras, principalmente em Quase de Verdade, onde a autora recorre a figura do ovo para embalar a pequena trama e no fim põe em nossas mãos uma pergunta. Já Plath brinca com o acaso e no fim revela que tudo pode funcionar perfeitamente se soubermos olhar uma determinada coisa ou fenômeno com outros olhos. As ilustrações de Quase de verdade são assinadas por Mariana Massarani e por Rotraut Susanne Berner, em O terno tanto faz como tanto fez. As publicações são da editora Rocco. Eu me diverti. Veja se você consegue também. Boa leitura!

2 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"Little TypeWriter Icon by ~philippdatz"
DEviantart

Artes e escritas disse...

Anoto a sugestão. Um abraço, Yayá.