quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Poesia


Por Germano Xavier

você me entorta a cabeça
você me faz esquecer
do toque macabro destes dias
destas luas ensanguentadas
e sem vida...
deste cheiro de sexo nas paredes
destes afãs loucos e rebeldes
sem causas aparentes, longínquas

quando abraço o corpo de tua carne
quando beijo as nuances de tua rima
quando entrego-me a esta sina
a de te escrever

Por Germano Xavier e Luís Osete, em 2005.

Um comentário:

Controvento-desinventora disse...

Nossa! Quanta inspiração!
Abraço a tua rima
teu verso parece um imã...