segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Círios apelam para rubras cores


Por Germano Xavier

haveria de ser se fosse o que não é
- nos tempos plenos de toda nossa história -
ou está sendo ou seria se houvesse de ir
seria para onde um no outro rumaria

quando
como onda de mar batida na crista do sol
tal guia

amaria de ver caso tudo fosse vela
e vento força gerada
- em braços unânimes -
sentiria ou simplesmente existiria
o que de tanto estar em falso
na saudade mais doída fabrica
em imagem

- de um mundo rubro melhor -
o afã por ver que tudo em ser poderia
num ter de ir para ver o que ser iria ter
se amar não fosse uma parede entre
o que se há e o que se é o que se queria

3 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

Deviantart

Cris Campos disse...

Atenta para o indizível percebo que quando o que se há se deixa ser o amar deixa de ser parede. Daí tudo que poderia ser, enfim torna-se no que se queria. Lindooo! Gr. Bjooo!

Daniela Delias disse...

Tão mais lindo esse mundo vermelho. Tão melhor. Eu gosto dos vermelhos. E mais ainda de ler você.

Beijo, G.