sábado, 12 de maio de 2012

Relatório para lábios incisivos



Por Germano Xavier

Um dos meus cômputos prediletos:
calcular os sóis e as luas de cada mulher.
(Faço isso em guardanapos em portas de cafés.)
Eis um animal astral.
Diria, constelacional, para melhorar.

Um solfejo:
toda boca de mulher é uma música.
As bocas de mulheres que usam vestidos roçagantes
pertencem ao universo dos traçados de piedade.

Homem é um bicho sem nicho, só sabe contrabalancear.
Mulher não, mulher cansa e pesa.
Mulher tem vocação para prisão de Minos.

Balancete:
quem se importa se nos exasperam por vezes?
Mulher é amor até quando mutretas de rua as desalmam.

Encarniçadas, convencidas, ardilosas, recém-banhadinhas,
mulher tem cheiro, camarada.
Diferente de homens, pombos suarentos.
Toda mulher é um cachalote, tem gorduras nas barbatanas,
e adoram tirar um sanguezinho de quando em vez.
E um amém é pouco.

8 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"On the way
by *NickKoutoulas"
Deviantart

Cacá disse...

Um amém para você também é pouco. Mil aplausos por esta maravilha! Abraços. Paz e bem.

Maria Maria disse...

Encantada pelo que li e visualizei. Imagens e palavras se combinam lindamente!

Um abraço,
Maria Maria

Danilo Sergio Pallar Lemos disse...

Linda e completa sua poesia expressando todo fulgor das mulheres.

www.vivendoteologia.blogspot.com

Pensamento e Fumaça disse...

Meu caro amigo, a quantas andas esse poema?? quem é o destinatário?
Acho que aqui faltou a vivacidade de todas as suas palavras outras que me encantam tanto...cadê o velho poeta?? mudou de forma?? virou camaleão??
ou é apenas uma face que antes eu desconhecia???

Um amém sempre para vc!!
Uma saudade grande
e lábios incisivos de beijos!
Mell

Letícia Palmeira disse...

Feministas podem não gostar. Eu mesma admito que senti algo que me remeteu àquela música (já tive mulheres de todas as cores...). Esta música é terrível.

No entanto, mesmo que teu poema caminhe no mesmo sentido de "já tive mulheres...", não me soa machista. É coisa de poeta mesmo. Ver tudo da forma que é. Homem, mulher, nicho, café.

Eu disse ter sido o melhor porque, diferente dos outros, este poema tem mais a cara do homem moderno. Ele não esboça aquele lenga-lenga antigo de exaltar e sair cantando amores. E a construção também está perfeita. E digo mais: achei muito bela a comparação entre mulher e uma cachalote. De verdade mesmo. Uma visão que não é para muitos. E você a tem.

Controvento-desinventora disse...

Mulher é mulher e isso nos basta. Quer dizer às vezes...Porque o Homem é um bicho muito saboroso!

Controvento-desinventora disse...

...Mas no meu pombal, só um pombo pode suar,afinal tem que voar muito pra chegar até aqui...