terça-feira, 24 de janeiro de 2012

À moda de alguns, a vida



Por Germano Xavier

És tão digna de respeito,
que sugiro maior apreço.
Teus traços já denoto,
tão faceira quanto estreita.
Delicada, angelical, sublime,
vai-se no vendaval...
colorida, frágil, de ar enchida,
vai-se embora
sem dizer, perdida.
Mas talvez retorne...
mas não é o homem quem morre
sutil aos olhos teus?,
bolha de sabão que, poucamente,
no tempo residiu...

7 comentários:

Indizível de Ser disse...

Tão bom sentir tuas palavras... Saudade.

•!¦[•Mara Bombo•]¦!• disse...

Nobre Poeta, obrigada pela visita ao CLIP - Centro Literário de Piracicaba, seu Blog é muito bom, belos textos e poemas sensíveis, Parabéns.
Mara Bombo

Laísa disse...

gostei da sensibilidade.
parabéns pelo dom e por compartilhá-lo.

Ana Lúcia Porto disse...

Oi Germano,

Sorte do homem que a viu, pois...

Super bonito...

Beijos e bom final de semana,

Gilson disse...

Você brinca com as palavras de uma forma que poucos conseguem.

Abraço grande

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"don't forget...
by *BabyJoan"
Deviantart

Maca disse...

Como sempre lindos escritos... gostei do charuto.. cubano?