sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Vôo de um canto


 Por Germano Xavier

saiu e cantou
o pássaro-de-nós, pássaro de voz.
com suas pás de construção,
deixou o ninho sem medo,
e preso, na garganta – tubo-goela de conexão –
só a liberdade do vôo nas asas sem grades
do voar.

(o passarinho que desceu da manjedoura abriu um cabedal de vozes na floresta.
a voz do passarinho salvou os moradores da floresta.
fez-se cantoria, fez-se cantoria!)

passa ninho passa ri o rio
ri a árvore o animal passa e ri
passa arando o passarinho saído do ninho
passa – pedimos -, passa!


10º poema-imagem/imagem-poema da série Preto-e-Branco:Poesia.
Fotografia de Daniela Gama.

3 comentários:

Júllio Machado disse...

Belo voar do menininho passarinho; belo jogo de palavras.
Abraços!

Dauri Batisti disse...

Ae Germano, como vc está? Seus exercícios poéticos vão seguindo bonitos.

Dani Gama disse...

É verdade, Dauri... "vão seguindo bonitos"

Gosto muito! Essa fotografia fiz na casa da minha avó. E o ninho caído ao chão e transportado para a água para compor a imagem foi encontrado por Marcel, embaixo de uma arvore. Gosto dela. Gosto da poesia.

Sigamos. O projeto está bonito, Gê! não podemos perder o rumo dele. Não podemos deixá-lo "desbussolado" (como dizia meu professor de Cartografia na universidade rs)