quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Abstrações perante um rio



 Por Germano Xavier

eu penso muito
em minha frase viciada
porque ela é viciada

penso em meu esquema
decorado penso muito
porque não decoro nada

penso também
na rosa deflorada acesa mas morta no jarro azul-turquesa que a mãe colocou para o jantar
penso porque antes de tudo é uma rosa morrendo

também nestas abstrações
nestes inventamentos
nestas desideologias

eu penso muito no menino do pastel
no óleo na massa que vai entrar no pastel
e olho o pastel

eu penso muito sabe
muito mesmo no órgão interno que parece aquela draga velha e estacionada no rio
cheio de fedor

penso porque pode ser lá
no fedor e na draga ou no pastel
o mais afeito lugar a qualquer droga do pensar

3 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"extinguished
by *Spinewinder"
Deviantart

Hugo de Oliveira disse...

Você é um gênio...aprendo sempre quando passo por aqui.


abraços

Marisete Zanon disse...

Quase reinventando poemas. Lindo!
Espero voltar e espero não perder a trilha de volta.
Um abraço!