quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Idade de amar


 Por Germano Xavier

o que importa é o braço dado na lida
ígneo solo o de novamente se deixar
o que guia é o caminho sem seta
(...tristeza, favor, longe passar...)

o que interessa é o antídoto para o não
a cena seleta depois de tanto errar
- este fino amor de tanto amar

6 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"Velhos observando a paisagem
by ~Rockfcs"

Daniela Delias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
URBAN.GO disse...

Um antídoto para o não ... parece-me uma grande e oportuna descoberta.
Gostei da imagem, e fico a pensar:
- Mas ... um antídoto para o não tornaria o sim, obsoleto ?!!
Estou a divagar claro, mas também isso é um sinal de ... bom poema!
Abraço Germano, fica bem.

Orvalho do Céu disse...

Olá, Germano
O amor e seus antídotos... entretanto tão claro ele é...
DEUS te cubra de bênçãos e te faça feliz!!!
Abraços fraternos de paz

Controvento-desinventora disse...

Ida de amar,
vinda de amor
sem tempo
sem acabar...

MA FERREIRA disse...

Germano..Esta imagem que emoldura teu poema é tudo!!

Sem seta, sem direção... só por hoje
poeta!

Parabéns pelo dom..cuida dele!
bj