sábado, 5 de março de 2011

O rodador de roda gigante



Por Germano Xavier

IV

dava era dó ver doró
ressumando o teor da tristeza
na procura pelo infinito
que era ele mesmo
aqueles olhinhos arteiros
de quem sabia tudo de cor
derretendo numa chuviscada de lágrimas

e mais sementes regadas
e sempre mais verde e floresta
e sempre mais sombra e nuvem de escuro
pro menino brincar de imaginar
que no fundo de todas as coisas
há um machado de ouro
com a douradez na face
abrindo enormes clarões no obscuro

inverso era o moreno do mato
o posto oposto
e o absurdo de ser
e só doró
por ele mesmo em lagartixas
voz de nuvem aguada e alva
sorriso celeste em terras
que isso era o que o menino era
rodador de roda gigante
brincador das coisas de dentro
escondedor de pedra e espinho
que nada disso valia a pena
que importante mesmo era virar cambota
abraçar finura do grosso
voar em riso de morto

esse menino era era uma fonte

doró e era
e só

2 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"Menino_by_joaofred"
Deviantart

CAROLINA CAETANO disse...

Germano... Que é isso! Dos seus textos, foi o que mais me... Ai, nem sei mais. Veio-me tudo que eu não esperava. Fiquei como um grande bicho pelo afago duma mão pequenina.
E é lindo, é lin-do!