sábado, 10 de dezembro de 2011

Medo de mim


 Por Germano Xavier

Eu tenho medo de mim. Tenho medo porque não sei tudo sobre mim. Desconfio que muito de mim ainda não aconteceu, que muito de mim ainda vive dentro de mim, em sono. E cada dia é um novo susto, um novo espanto, um novo ser. Quando penso que tenho já pouco a aprender sobre as pessoas, sobre o mundo, vem alguém mais louco que eu e me diz ineditismos. Quase todo um dia investindo em leitura e estudo não me diz nada sobre quem sou realmente. Mas a noite sempre vem clara de ensinamentos... A mulher que amo bebe comigo o líquido azul. E eu sei que aquela voz não é somente uma voz. É alguma coisa acordando em mim.

4 comentários:

Júlio Machado disse...

Primeiramente, obrigado pela sua ilustre visita no meu espaço blogosferal.
E confesso,também,tenho de "medo de mim".Aliás temos que ter medo, sobretudo, dos vivos imprevisíveis; não é vero?
Por fim , "somos caricaturas de nós mesmos"; apaixonados pela vida na esperança de um amanhã que venha a superar as nossas exigentes expectativas.
Um forte abraço, Exorcista das Palavras!

Controvento-desinventora disse...

É preciso muita coragem prá assumir o medo,esse segredo, de cada um.E mais que dormir com quem se ama é preciso deixar-se acordar medroso de tanta coragem, depois de brindar no azul líquido noturno a descoberta de cada dia.
Texto lindo e verdadeiro!

Grazy disse...

Este texto me fez refletir o que quanto eu tbm tenho medo de mim, o quanto não me conheço, o quanto ainda necessito saber mais de mim...
cada vez mais te admirando Geu!

BRUNNO LYMA disse...

O medo do "eu" parece ser algo inerente de nossas espécies. O medo é perseguidor de nossos sonhos.

Vc é um mestre das letras. Parabéns.