segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Três livros para crianças


 Por Germano Xavier

Li, recentemente, três livros infantis realmente muito empolgantes e até, em um dos casos, emocionante. São eles: “Chapeuzinho Amarelo”, de autoria de Chico Buarque e ilustrado por Ziraldo, “Adivinha quanto eu te amo”, de autoria de Sam McBratney e ilustrado por Anita Jeram e “A festa no céu”, conto do folclore brasileiro reescrito e ilustrado pela escritora Angela Lago. O primeiro é uma reinvenção do famoso conto de fadas clássico “Chapeuzinho Vermelho”, que sofreu impacto fortíssimo na esfera de sua popularização a partir da adaptação feita pelos irmãos Grimm. O músico e escritor Chico Buarque cria uma personagem que alterna o medo parcimônico de si mesma para com as coisas criadas pela sua imaginação com a descoberta de que o medo é uma coisa que só pode ser vencida a partir do instante em que se encara a essência desse mesmo medo. Chapeuzinho Amarelo morria de medo do lobo até o dia em que o conheceu. Dali em diante, frente a frente com o monstro que povoou sua mente por muito tempo, ela faz do lobo o que ela quer, literalmente. “Adivinha quanto eu te amo” é a história, das três, que mais burila com o emocional do interlocutor. Num diálogo rápido entre o Coelho Pai e o Coelho Filho, o amor entre os dois se transforma no centro das atenções durante o transcorrer das páginas. O Coelho Filho quer provar ao pai que o ama mais que ele o ama, por intermédio de comparações inusitadas, mas por fim dá-se um interessante desfecho que, claro, não vou contar aqui. Por último, “A festa no céu” narra a história de uma corajosa tartaruga que resolve criar uma alternativa para ir à uma festa no céu, lugar onde só os bichos que possuíam asas podiam chegar. Escondida dentro de um violão, que foi levado lá para cima pelo vôo do urubu-rei, a tartaruga consegue chegar à festa, com muita astúcia, mas é descoberta pela mesma ave que a carregava na volta para a terra, e algo muito interessante é revelado. Enfim, para quem gosta de ler e que também não rejeita um bom livro infantil como tira-gosto, estão aí três boas pedidas para o fim do ano. São também três indicações preciosas para presentear aquela criança especial que vive em algum canto deste mundo de situações inimagináveis...

5 comentários:

Isabel disse...

Gosto muito de comprar livros infantis, até porque têm a ver com a minha profissão, já que sou professora da escola primária.
Desses três de que fala tenho o "Adivinha quanto eu gosto de ti", é esse o título em Portugal. É um livro muito bonito, não só pelo texto, como pelos desenhos tão cheios de ternura.
É um mimo.
Tenho pena de não conhecer os outros. Não sei se algum estará publicado em Portugal.
Um abraço e continuação de boas-festas.

Leandro Jardim disse...

Ainda não cheguei nessa fase de leitura dos infantis, mas gostei das dicas! :)

Controvento-desinventora disse...

Conheço os três e adoro literatura infatil e infanto-juvenil. Embora seja ainda considerada por muitos uma literatura menor ou descredenciada, temos muito que aprender com estes textos e escritores.Presentear....é uma prática por aqui.
Indico: Todos os textos de Lygia Bojunga e Bartholomeu de Queirós.

Lai disse...

Também estou te seguindo, e que bons passos!… Obrigado, amigão. Abraços.

Dani Gama disse...

Sofia amou ganhar os três. Um belo trio!

Abraços, Poeta!