sábado, 23 de junho de 2012

Eu também



 Por Germano Xavier

sinto falta
boto o disco pra tocar
aquela música
(falta que é mais que saudade)
aquelas músicas que escutamos
fumando pelos cantos afora
lembro dos finos fios de chuva beijando o chão
você sentada esperando um homem estranho
um homem com cara de abominável homem das neves
sinto falta e me lembro bem
a minha motocicleta enciumada teimando a pega na garagem
sem querer partir e me doar a você estranha como eu
você tinha gosto de cigarro e medo
sinto falta quando digo que estou com saudades
de tuas costas largas e de tua boca imensa
(isto não é amador demais nem me dói escrever)
é apenas um canto sem nenhuma espécie de celebração
eu que sempre quis mais de você
até carregar suas malas escadas acima quis
(mais do que poderia me dar)
até grilo você trouxe em sua macumba
e suas histórias
e suas fugas
e suas invenções

6 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"2924
by *TomWasilewski"
Deviantart

Artes e escritas disse...

Disso eu sinto falta: sentar, escolher um LP de 30 minutos, ouvir o lado A,e, antes de mudar o lado do disco, olhar a capa e reler o nome das músicas que estão do outro lado, dar saltos com a agulha para mudar de faixa, etc. Feliz recordação esta sua. Um abraço, Yayá.

Daniela Delias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Controvento-desinventora disse...

Sentir falta é querer de alguma forma
estar presente, ser presente...mesmo que a agulha quebre, os discos tocam em nossos ouvidos e a película passado projeta a memória.

Alessandra Pires disse...

Bom poder relembrar do que nos fez bem. Também sinto falta de tudo isso e tanta coisa mais vivi num passado láaaaaaaaaaa atrás. Bons momentos.

Rebeca dos Anjos disse...

A falta é boa se transborda poesia. E só.

Lindo, moço!

Abs,