sexta-feira, 1 de junho de 2012

O muco


Por Germano Xavier 

ou um ilhéu coroado em febre onde cabem todas as maravilhas

Parte I 

eu-casulo 
nós-crisálidas 
quanta larva a lagarta que devora a dor 
nos fez sorver quando fomos febres 
e quantos foram os címbalos 
que rompiam o silêncio de nossa arte 
avulsa em nós dois 

pois depois fomos amar atrás do poste sujo 
na rua vadia e mítica 
da grande cidade 

fomos amar detrás da rua suja 
um poema molhado 
entre os dedos 
(olhos malditos e sem propósito nos viam 
através dos muros imundos da velha fábrica 
mas fingíamos ser cegos 
para amar na cegueira mais medonha) 

fomos amar na praça de bancada curvilínea 
entre automóveis imóveis diante do amor sem curvas 
você me ofereceu o seio mais tenro de minha adolescência 
o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio o seio 

você me ofereceu a praça 
o poste sujo da rua mítica e noturna 
todo santo dia o dia era santo 
e o amor 
diabo escalado para arrepiar concretos 

pois depois fomos amar à mesa 
no prato quente do dia frio fomos 
o relincho dos centauros amaldiçoados 
- o que era aquilo senão vis-benzeduras? 

fomos amar no quarto 
na cama no sofá amamos 
no armário na cozinha fomos 
amar a engrenagem perfeita armamos 
a tenda autoral das delícias sem império 
o símbolo cósmico das audácias infantis 
apertando a cinta para sentir a falta do ar 
para sentir o ar-visgo impedindo a aurora 
que tua vulva comprida me encarnava enxergar 

o muco, mulher, é a rega do homem 
na sestrosa ameaça íntima 
feita para durar o eterno tempo da lembrança 

rega-se o rego 
para o rio não secar

4 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"Sand...
by ~WWWest"
Deviantart

Controvento-desinventora disse...

Nossa! Quanto desejo, força e coragem de ser dois em um.

Júllio Machado disse...

De onde vem toda essa intrigante inspiração que nos faz por palavras justapostamente com e sem nexo...
O que move esses alumbramentos , meu camarada; o que move o que nos move?

Daniela Delias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.