domingo, 4 de novembro de 2012

O apaixonado


Por Germano Xavier

Ou meio-rondó malacabado
para Mário de Andrade.



Quando me virem dobrar a esquina
da rua velha,
com esta minha cara de paixão,
saibam, meu amigos que nunca foram
e meus inimigos que nunca eram,
eu estou feliz.

Não se espantem se meus ombros
parecerem mudos,
se minha voz embargada disser
somente ais e uis,
se meus joelhos não dobrarem mais
como antes.

Não se afastem por qualquer
aparente dor
de dente de rins de cotovelo
ou de amor,
não temam o homem
que carrega o mundo
nas costas,
pois sou eu que venho
na natural travessia,
e acreditem!,

eu venho feliz.

4 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"Old Man by ~RYOTOKUMOTO"
Deviantart

Sabrina Sebaje disse...

Muito bom.

Bjks, Sabrina

http://acheiisso.blogspot.com
http://euemcontagotas.blogspot.com

Ana Lucia Sorrentino disse...

Há coisas que lemos e que, instantaneamente nos contaminam. Impossível terminar a leitura dessa poesia sem se sentir feliz também. Absolutamente contagiante, Germano. :)

dade amorim disse...

Boas notícias!
Abraço pra você.