sexta-feira, 2 de novembro de 2012

As coisas desse meu coração


Por Germano Xavier

as coisas desse meu coração que não bate à toa
estalado som de primazias
cansado de explodir por dentro
em voz rouca e profanada em nãos
possuidor de um método inteiro
de amar sem medidas

sufocado em me levar para onde olho
ou vejo as coisas desse meu coração
que não bate à toa
são somente coisas sem pressa alguma em ser
são apenas histórias sem final
por onde cursam rios de esperança e medo
lavradas publicamente com sal e lágrimas

essas coisas desse meu coração que não bate à toa
permanecidas num pêndulo
fixadas no ar volúvel do destino
estudadas em ingressos de se ir ao embate
esperando a queda o tropeço o corte na odisseia
das coisas mas principalmente o voo
desse meu coração que não bate à toa

7 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

Deviantart

Iara disse...

E não bate mesmo, que eu sei!

Felipe Terra disse...

Por mais que não saiba bater direito insiste em bater, mais e mais, fazendo sofrer...

Até logo Germano...

Cris Campos disse...

Um coração que ama sem medidas jamais poderia bater à toa, um coração que ama assim possui sentido e essência em cada batida, seu pulsar de tão intenso é latente, só corações especiais o podem perceber. Gr. Bjooo e um final de semana lindoooo pra ti!

meu toque disse...

Parabéns belíssimo poema.
Quando se termina de escrever algo assim o mundo fica bem pequenininho.

Natália Macedo disse...

Tudo que escreve é leve. Sempre saio flutuando. Cheia de esperança.

Leilane Paixão disse...

O coração bate a toa quando ficamos presos ao discurso do mundo, à ilusória segurança de um conforto desconfortável, ou de um desconfortável conforto... O que faz o coração bater de verdade, eu penso, é a transgressão, a possibilidade de operar mudanças em si mesmo, na própria vida... É este ir ao embate. De nós mesmos, do mundo (dado)... É romper, recriar, reinventar novos finais, novos começos, novos "durantes".