segunda-feira, 9 de maio de 2011

Bakhtin e a palavra


Por Germano Xavier

"A palavra é uma espécie de ponte lançada entre mim e os outros. Se ela se apóia sobre mim numa extremidade, na outra apóia-se sobre o meu interlocutor. A palavra é o relatório comum do locutor e do interlocutor." (Bakhtin)

O pensamento bakhtiniano é amplo, e o interacionismo, em acepções também diversas, é a mola propulsora de todo um arcabouço ideológico que preza pela reflexão construtiva da linguagem. O outro lado da moeda, ou seja, a língua em uso, é também elemento basilar para o desenvolvimento da teoria do russo. Há pontos que merecem destaque. A palavra, para começo de conversa, não pode ser vista como único e terminal elemento do processo de enunciação. Para Bakhtin, a palavra é mais um meio facilitador da ação enunciativa, e a produção do sentido não se encerra nela, exclusivamente. A palavra, tomada como participante do todo contextual de um respectivo texto, termina por dar voz ao indivíduo, situando-o num intervalo espacial-social muito mais complexo, dando-lhe vida, forma, cor e movimento. É daqui que surge a polifonia, fragmento do estudo bakhtiniano que vai caracterizar-se pela percepção e valoração das inúmeras vozes textuais. A polifonia, por sua vez, está intimamente ligada ao dialogismo que, como formando uma tessitura única e bem sedimentada, une-se aos quesitos argumentativos, de produção e recepção de mensagens, o que faz do texto, da enunciação, um processo vivo que extrapola as esferas mínimas de significação e representação dos fenômenos linguísticos. Para tanto, o ensino da língua portuguesa, esteja ele em qualquer nível sendo trabalhado, precisa enxergar que a sua matéria-prima, a língua, é mais uma ferramenta mutável, passível de transformações e de adaptações. Agindo dessa maneira, o educador tenderá a, percebendo e valorizando o conhecimento prévio de cada aluno-indivíduo, vislumbrando os fatores de condicionamento social-histórico de uma dada comunidade, sabedor do processo dialógico de construção do saber, cobrir as deficiências linguístico-basais do alunado e, desse modo, proporcionar um ambiente mais eficiente para a difusão do saber, auxiliando na fomentação de um coletivo social crítico e inquiridor, capaz de reaver seu posicionamento perante si próprio e o mundo.

2 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"Word by ~caiodiniz1"
Deviantart

Hugo de Oliveira disse...

Fantástico seu texto...Com diz Bethânia "A palavra é dom".
A Bethânia está com um novo show chamado Bethânia e as Palavras.