segunda-feira, 2 de abril de 2012

Não deixe de escrever



Por Germano Xavier 

Para Ana Lúcia Sorrentino

não deixe de escrever
pelo simples fato do seu melhor amigo discordar
de tudo o que você disse em sua última coluna
(a interpretação é um problema dos outros, não seu)

não deixe de escrever
imaginando que isto não vá levar você a lugar algum
(escrevendo, vamos aonde queremos ir)

não deixe de escrever
por causa de algum aborrecimento vão
ou porque o seu povo ainda não aprendeu
que é preciso ler e ler e ler cada dia mais e melhor
(vamos juntos matar os presidentes, os gerentes, os gestores e etc?)

não deixe de escrever
ao saber que o retorno financeiro será mínimo
(com exceções, claro... mas não dá para levar a cobertura com latrinas banhadas a ouro para o além-morte, fato... então, deixe este detalhe de lado)

não deixe, jamais, de escrever
se você ama realmente a palavra, o verbo
e, principalmente, se você ama o substantivo do verbo
(ninguém que ama a palavra consegue viver sem ela, está dito)

não deixe de escrever, eu peço, não deixe
têm deuses que ainda esperam por algo brotado de suas mãos

7 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"obstruction by ~henriquefrazao"
Deviantart

Ana Lucia Sorrentino disse...

Germano, obrigada. Obrigada, e obrigada, e obrigada e um moonte de obrigadas!
Você sabe o quanto amo a palavra, e sabe o quanto acredito que, através dela, podemos fazer um mundo melhor.
E fique tranquilo. Esse estímulo que está me dando valerá por toda uma vida. Juro que vou salvar essa poesia nos meus arquivos e vou relê-la sempre que me sentir fraquejar.
Um beijo, meu querido. :)

Suzana Duraes disse...

Ana, com um amigo desses não há dúvida que perdure. Concordo plenamente com ele. Solte sua palavra, não importa a interpretação que se dê. Tudo é questão de ponto de vista. Em alguns, a vista ainda é um pouco curta. rsrs
Seus textos são maravilhosos e verdadeiros. Em coro: "Não deixe de escrever, eu peço, não deixe."
Beijos que fortalecem!

Amanda Andrade disse...

O segredo é não deixar que palavras mau feitas deixem as nossas bem redigidas cessarem. Querido, muito bom esses seus versos. Eles tem um ritmo muito delicioso.

Beijos.

Ana Lucia Sorrentino disse...

:)

Maria Campos disse...

Deixar de escrever? Nunca!
Não podemos agradar a todos e, concordo com o equador das coisas. Deixar que brotem palavras das nossas mãos, da nossa alma?...

Espero que o caro equador não entenda como abuso esta minha "intromissão"...

:)

Jacqueline disse...

..."não deixe, jamais, de escrever
se você ama realmente a palavra, o verbo
e, principalmente, se você ama o substantivo do verbo
(ninguém que ama a palavra consegue viver sem ela, está dito)..."
Pura verdade. Não deixe mesmo. Continue! O que é a vida sem as coisas de que mais gostamos? Abraço!