quinta-feira, 15 de março de 2012

Retalhos ( I )



Por Germano Xavier

I
Ela lavava a roupa como se estivesse lavando a alma.


II
Poetas são passarinhos, simplesmente voam, e nada mais que isso, mesmo sabendo eles que não há ação mais bela que voar, nada mais ostensivo.


IIINo fim do dia, a tarde febril corou-se de carmesim.


IV
Dormir é cobrir o corpo de noite.


V
- Mãe, tô saindo de casa!
- Então vista uma roupa, meu filho.
- Não precisa, mãe.
- Como assim?
- É que eu vou poetar!


VI
Vento ventania vem viaja voa vai...


VII
Outro dia me perguntaram se eu tinha medo do amor.
Eu respondi que tenho.


VIII
No meu aniversário de julho, ganhei um amor novinho em folha. Mas o melhor de tudo foi ouvir o crepitar do papel de embrulho quando comecei a tomá-lo para mim. Todas as expectativas são mesmo mágicas.


IX
Preamar
Mar pr’amar
Pra amar
Você


X
Dicionários...
O meu,
quase duas mil páginas.
Quanta poesia, meu Deus!


XI
E que sina é esta, tamanha,
de estar sempre se machucando?
Pátria mãe gentil, Brasil!,
a tua sorte, quem viu?


XII
Vender-se–á poesia no varejo,
a um preço único:
o do desejo.

XIIIa) Idade da Pedra Lascada:

Coca! Cola! Coca! Cola!

b) Idade da Pedra Polida:

Uga, Uga! Uga, Uga! Uga, Uga!

c) Idade dos Metais:

Uhr, Uhr, Uhr, Uhr, Uhr, Uhr...


XIVNão há nada mais bonito que a luz
de uma estrela pequenina.
Claridade sem lâmina a dizer:
embebeda-te, ó cancioneiro!


XVExiste tanto na pouca distância
que nos separa e nos priva
de vivermos... não imaginas
quanto...

4 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"xpo 1
by ~Ana7hema"
Deviantart

Letícia Palmeira disse...

O que se deve comentar em um blog? Será que já escreveram um livro a respeito disso? Porque nunca sei. Ou sei e nunca comento. O fato de ter lido e comentar me faz sentir uma certa responsabilidade. É como se eu fosse cúmplice.

E eu gostei dos retalhos.

Liene disse...

A quem se interessa basta as asas, o desejo, a palavra. Tens tudo, então.

Carinho sempre, sincero

Ana Claudia disse...

Obrigada também por este e mais um monte. Fiquei, dentre outras coisas, imaginando um amor novinho em folha embrulhado em papel de presente. O resto é indizível mesmo.