quarta-feira, 21 de março de 2012

Larga ilha de assombros


Por Germano Xavier 

para Suzana Durães

larga ilha de assombros
é a vida
implana
ilharga amarga
doce
(mais doce que o doce de batata doce?)

larga ilha
é a vida
encostada, recostada
rodeada de águas insanas
de acres memórias em tantas

de surpresas celestiais de céu escuro
bolas enormes de fogo caídas do nada
iluminando a escuridão

de desconcerto no encontro secular
a vazão do inconsumível
eis a ilha
eis o homem
ilhado sem ilha
(sem Tempo)

4 comentários:

Germano Xavier disse...

Crédito da imagem:

"The place where I belong by ~painandpleasure"
Deviantart

Suzana Duraes disse...

Como não admirar-te cada vez mais? Emociono-me com a grandeza de tua poesia.Lindíssimo poema! Obrigada, Germano!!

Júllio Machado disse...

Perdes a vida...
Germano-homem-poeta,
Mas não a poesia.

Jacqueline disse...

"Eis a ilha... Eis o homem... Ilhado sem ilha..."
Pois é.
Abraço!